”Próxima reunião da Câmara Temática às 19 horas, Casa da Cultura”

domingo, 20 de julho de 2014

Mestre Conselheiro Antônio Geraldo da Silva, o Marinheiro de Luz

Jornal Grande Bahia | Juarez Duarte Bomfim | Publicado em 20/07/2014

As Obras de Caridade, iniciadas lá no ano de 1945 pelo Mestre Daniel, tiveram
continuidade sob o comando zeloso do presidente Antônio Geraldo, um bom conselheiro.

Antônio Geraldo da Silva chegou a Rio Branco – Acre em 30 de junho de 1944, na condição de soldado da borracha. Por ser arrimo de família e pela forte oposição materna de enviar seu filho à guerra, foi poupado de lutar nos campos de batalha italianos.

O Brasil havia entrado na 2ª Guerra Mundial ao lado dos Aliados e jovens brasileiros eram recrutados para lutar na Itália. Um outro contingente de alistados — geralmente nordestinos — foi enviado pelo governo a Amazônia, para participar do esforço de guerra de suprir os americanos de borracha vegetal para a indústria civil e bélica.


Os soldados da borracha escapavam da violência e morte da II Guerra Mundial, mas não se livravam de doenças como a malária e do tratamento brutal e desumano perpetrados pelos seringalistas contra os seringueiros.

Inicialmente, Antônio Geraldo trabalhou como oleiro, depois foi enviado aos seringais. Adoeceu, retornou à cidade. Trabalhou novamente como oleiro. Passou inúmeras dificuldades materiais com desempregos frequentes e doenças como o impaludismo.

Eu tinha um Barquinho
Que navegava sem ter direção
Navegava num rio muito caudaloso
Chamava-se Rio Ilusão.

Com o falecimento da mãe, Maria Fernandes da Silva, abandonou o sonho de voltar a residir no Rio Grande do Norte. Músico violeiro, caiu na seresta e na boemia do bairro do Papôco — baixo meretrício da Cidade de Rio Branco – Acre. Bebia muito.

Eu fiquei desprezado
Chorando sem consolação
Fiquei sem Papai
Fiquei sem Mamãe
Fiquei sem meus irmãos.

No ano de 1948 casou-se com Antônia Ferreira da Silva. Órfã de pai e mãe, Antônia trabalhou como empregada doméstica até a época do seu matrimônio. Tiveram nove filhos. Dona Antônia ajudava no orçamento familiar exercendo a atividade de lavadeira.

Antônio Geraldo narra como conheceu o Mestre Daniel Pereira de Mattos, em junho de 1955:

— Conheci o Daniel por intermédio da Antônia. Ela conhecia o Daniel desde o tempo de moça. Eu não o conhecia, não sabia quem ele era. Então adoeceu o irmão da Antônia, o mais velho. Aí tive que ir com ela atrás de recurso para o irmão. Foi aí que conheci o Daniel. Quando chegamos na casa dele, ele nos recebeu muito bem. Ele fez o atendimento e eu fiquei de buscar a resposta do trabalho e o remédio que ele ia fazer pro irmão dela, num domingo. Então, chegou o domingo e vim atrás do resultado que ele ia preparar. Quando lá cheguei, ele disse que o irmão dela não tinha cura, só se Deus o permitisse. Em verdade nós tínhamos chegado muito tarde. A doença dele era sífilis que ele tinha arranjado de uma mulher. De fato o irmão dela não tinha cura mesmo.

Daniel convidou Antônio Geraldo para retornar no dia seguinte, pois tinha um assunto com ele. Antônio confirmou que iria. Mas, intimamente pensou: “venho uma desgraça que eu venho!”.

Já no dia subsequente:

— Quando cheguei do serviço a Antônia já tinha arrumado a roupa para eu ir lá no Daniel. O dia de eu voltar lá no Daniel era aquele. Eu cheguei por ali como quem não quer nada e ela disse assim:
— Rapaz, você não vai lá no Daniel? Ele não disse que tinha um negócio com você?
Desconfiado e vacilante, Antônio Geraldo responde:

— Eu mesmo não vou não!

Antônia insiste:

— Rapaz, você não disse pro homem que ia? Como é que você agora diz que não vai?

Com a insistência da esposa, e para não brigar com ela, Antônio Geraldo bolou um plano, em pensamento: “eu digo que vou e vou pro Papôco. Quando for mais ou menos lá para as nove, dez horas, eu venho pra casa e digo que fui”.

Respondeu para a mulher:

— Eu vou!

Vestiu a roupa e saiu de casa com a intenção de ir ao meretrício. No caminho, duas vozes contrárias falavam ao seu ouvido. Parecia que tinha um espírito bom e um espírito ruim o acompanhando, pensou.

A primeira voz lhe dizia: “Mas rapaz, como é que você vai mentir para a sua mulher sem necessidade? Tamanho homem! Rapaz, só porque o homem convidou para ir lá? Isso é papel de um homem?”

Mudava de rumo, em direção à Vila Ivonete. Um pouco mais à frente, a segunda voz o dissuadia. E trocava de rota, em direção ao Papôco. Foi assim nesta peleja até quando deu por si e já estava no terreiro de Daniel.

Antônio Geraldo chegou, parou diante a Capelinha de São Francisco, com uma Cruz de madeira em frente. Entrou.

— A Capela era pequenininha, tinha muita imagem de santo e era cheia de coisa. Uma vela acesa aqui, outra ali. Aí olhei para o Daniel, aquele homem preto escuro.

Preconceituoso, pensou: “agora apareceu um macumbeiro de verdade!”

A desconfiança e a imagem negativa que ele tinha do Mestre Daniel foi se desfazendo quando este lhe fez três perguntas: se amava a Deus, se tinha medo e se Antônio queria ver toda a sua vida.

Com respostas afirmativas de Antônio, na Santa Luz do Daime Daniel percebeu o seu valor e reconheceu nele um dos irmãos amigos a quem confiar a continuidade da Missão. Antônio Geraldo se tornou discípulo do Mestre.

Quando do desencarne do Fundador, em 8 de setembro de 1958, após breve crise sucessória em que os trabalhos estiveram suspensos por dois meses, os membros da Capelinha de São Francisco se reuniram e foram à casa de Antônio Geraldo da Silva convidá-lo a assumir a presidência. Antônio inicialmente vacilou em aceitar tamanha responsabilidade:

— Rapaz… Eu acho que não vou assumir esse compromisso, porque acho que não tenho a capacidade para isso. Eu vi o que foi que Daniel sozinho passou aí dentro desse compromisso. O sofrimento que ele teve, ele sozinho. E eu tenho uma mulher e oito filhos pequenos para dar de comer.

Porém, a estrela que o guiava e irradiava — o santo missionário Bispo Dom Policarpo — baixou, lhe orientando e motivando a seguir adiante, na Missão de Daniel.

Dessa maneira, Antônio Geraldo da Silva foi empossado na direção deste lindo Culto de Oração em 20 de janeiro de 1959, Dia do Soldado Guerreiro Mártir Senhor São Sebastião.

Seguindo os passos do seu Mestre, firmou um compromisso de não se afastar das dependências do Centro por dez anos. Chegou a despertar a atenção das autoridades eclesiásticas da Cidade de Rio Branco quando, em 30 de novembro de 1969, recebeu uma visita de integrantes da Ordem dos Servos de Maria, que o consideraram um “prisioneiro” — um preso voluntário por questões de ordem espiritual, necessária para cumprir o compromisso através do sacrifício.

Praticou a caridade e viveu da caridade. Habilidoso em mexer com aparelhos de rádio, fez um curso por correspondência e se tornou técnico em rádio e televisão, atividade profissional que exerceu no restante da sua vida em matéria, ajudando a sustentar a sua família.

A sua gestão a frente da Capelinha de São Francisco foi de institucionalização da Doutrina e de importantes empreendimentos feitos por esta laboriosa comunidade religiosa.

Ao longo das décadas de 1960 e 1970 foi concluída a nova igreja em alvenaria e o conjunto de edificações que constituem a arquitetura do Centro e a simbologia da Missão.

O período de gestão do irmão Antônio Geraldo foi também de inúmeras perseguições a Doutrina e profanações do Templo, que serviram como provação para os irmãos firmarem a fé e a continuidade desta Missão de Luz, cumprindo assim as palavras de Cristo: “se alguém quiser ser Meu discípulo, tome a sua cruz e me siga”.

Este foi um tempo de realizações não só materiais, mas principalmente ritualística e doutrinária. Na Santa Luz do Daime, o presidente Antônio Geraldo foi recebendo orientação espiritual do Mestre Daniel do que deveria ser feito para organizar os ritos doutrinários.

Novos salmos e hinos foram trazidos espiritualmente pelo Fundador. Em meados da década de 1970 o Livro Azul (Livro do Hinário) estava composto de 446 hinos.

As Obras de Caridade, iniciadas lá no ano de 1945 pelo Mestre Daniel, tiveram continuidade sob o comando zeloso do presidente Antônio Geraldo, um bom conselheiro. Ele era responsável pelos atendimentos espirituais no Altar da Igreja e pela distribuição do Daime. Com sua melodiosa voz entoava os salmos sagrados durante o Culto Santo.

Na sua gestão foi edificado o Salão de Bailado e instituído esse festejo, com a formação do Conjunto Santa Fé (banda musical).

Fala Antônio Geraldo da Silva:
— Eu via dentro da miração um barquinho navegando no mar. Do mesmo jeito que ele está ali, naquele formato (o Coreto com o Barquinho no topo), todo enfeitado, como depois eu construí. O Barquinho era para a gente ter o bailado.

Outra importante realização foi a criação e o estabelecimento do fardamento, com a simbologia da Missão, bordada à mão. A primeira responsável pelo bordado das fardas foi a irmã Francisca Campos do Nascimento (Dona Chica Gabriel). No seu exíguo tempo livre, o presidente Antônio Geraldo sentava ao seu lado, pegava da linha e agulha e ajudava na lida.

Passados 18 anos, Antônio Geraldo da Silva recebeu uma nova missão, a de fundar o Centro Espirita Daniel Pereira de Matos, em homenagem ao Fundador, e dai prosseguir com os trabalhos espirituais. A abertura do novo Centro ocorreu no dia 20 de janeiro de 1979 — dia do Mártir São Sebastião.

Eu com a fé pura
Que tive em meu coração
Pedi a Jesus
E a Virgem Santíssima
Que me desse outra embarcação.

Origem do nome Barquinha

Para abrir o Culto Santo no templo recém-edificado, o Mestre Conselheiro Antônio Geraldo da Silva contou com o apoio do irmão amigo Sebastião Mota de Melo (Padrinho Sebastião), que lhe forneceu os primeiros litros de Daime, após receber uma carta sua.

Depoimento de José Carlos Bezerra da Silva, presidente do Centro Espírita São Francisco de Assis, em Plácido de Castro – Acre:

— Esta carta foi entregue em minhas mãos e de seu filho Solerne Geraldo da Silva, e então fomos à Colônia Cinco Mil entregar a carta, e ao ler, Sebastião Motta nos entregou uma frasqueira de Daime e disse: “Diga a Antônio Geraldo que se ele precisar de mais pode mandar buscar”.

Eu sentado na margem
Do rio chamado Ilusão
Avistei uma Barquinha
Que vinha correndo
Rumo a minha direção.

Com auxilio de familiares e amigos, Antônio Geraldo, constrói uma igrejinha de madeira e um Salão de Bailado coberto de lona. Logo na primeira festa realizada, uma grande chuva derruba aquele salão improvisado. O dirigente não esmorece:

— Vamos fazer um Barquinho de verdade!

O Salão de Bailado (Parque) foi construído em formato de um Barco, e a partir daí surgiu o nome Barquinha, “pois como a capela ainda não possuía um nome, um título, então todos passaram a chamar de Barquinha” — afirma José Carlos Bezerra da Silva.

Eu me aproximei da Barquinha
Com alegria em meu coração
Nela vinha um bondoso velhinho
Ele entregou-me a Barquinha
E me deu muita explicação

O jornalista e escritor Silvio Martinello residia próximo ao Centro Espírita Daniel Pereira de Matos, lá na Vila Ivonete Nas suas crônicas narrando o cotidiano de seu bairro e da sua cidade, ele sempre se referia a “Barquinha”, especialmente nas noites de festas, quando a música comemorativa irradiada daquela casa Espírita varava as noites rio-branquenses. Isso popularizou o nome “Barquinha”, que os antropólogos passaram a associar a esta linha espiritual ayahuasqueira fundada por Mestre Daniel Pereira de Mattos em 1945, ano de início da Missão.

Este bondoso velhinho
Que trouxe esta embarcação
Foi o Nosso Presidente
Que trabalhou doze anos
Entre todos os meus irmãos.

Depoimento de Antônio Geraldo Da Silva Filho, herdeiro espiritual do Mestre Conselheiro:

— “Assim, passados 18 anos, ele recebeu uma nova missão, a de fundar outro Centro, o qual atribuiu o nome de Centro Espirita Daniel Pereira de Matos, em homenagem ao Fundador da Barquinha e dai prosseguiu com essa nova missão. A abertura do Centro Espírita Daniel Pereira de Matos foi no dia 20 de janeiro de 1979 e daí comandou esse Centro até julho de 2000, quando faleceu, deixando um legado de mais de 300 hinos que são cantados na Igreja e mais de 700 hinos para as festas com bailado, quando as entidades que passaram os hinos vêm para bailar. Esses hinos foram todos recebidos entre os anos 1979 e 2000. O Mestre Antônio Geraldo cumpriu sua missão até o fim, prova disso são os mais de 1000 hinos que recebeu. Um legado de mensagens de profundo conhecimento que só quem aprende a meditar, contemplar, buscar fundo mesmo, consegue compreender a grandeza que são esses ensinamentos”.

Este Marinheiro de Luz, Mestre Conselheiro Antônio Geraldo da Silva, faleceu aqui em matéria e renasceu no mundo espiritual em 28 de julho de 2000.

Lá da eternidade, inspira e orienta a irmandade da sua Barquinha a prosseguir na linda viagem sobre as ondas do Mar Sagrado, recolhendo almas penitentes para entrega-las nos Santos Pés de Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários neste blog passam por nossa moderação, o que nos confere o direito de publicá-los ou não.

Os textos e conteúdos dos comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião deste blog.

Não serão publicados comentários de leitores anônimos ou aqueles considerados moralmente ofensivos, racistas, preconceituosos ou que façam apologia a qualquer tipo de vício ou atos de violência e discriminação.

A reprodução é livre desde que mantido o contexto e mencionado a fonte.