”Próxima reunião da Câmara Temática às 19 horas, Casa da Cultura”

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

O que houve aqui?

É uma cena que sempre me aflige e entristece, nesta cidade amazônica. Um caminhão carregado de toras.

Desfilam impassíveis pela cidade, com destino programado: gerar lucro.

E penso que seja de se espantar que, diante dos incontáveis alarmes disparados pela natureza, ameaças reais à sobrevivência desta humanidade e das gerações futuras, ainda haja tantos indivíduos convencidos de que trocar a vida por dinheiro é bom negócio.

Iludidos e satisfeitos, atrás de si deixam a floresta devastada, como o violentador que levanta as calças e trata de esquecer o crime que cometeu.

Já estive numa área de mata derrubada e posso afirmar que é uma das visões mais desoladoras que se pode ter. Causa uma sensação de solidão, escassez, medo e desconsolo sem igual. No cenário desértico, os poucos pássaros que restam, confusos, parecem se perguntar, quando cantam: “O que houve aqui?”

É inevitável, para uma pessoa humana, pensar em todas essas coisas quando vê um caminhão de toras. E sobre tal fato eu refletia enquanto conferia, outro dia, o enorme tronco, imaginando quão majestosa teria sido aquela criatura em pé, na floresta. Uma senhora respeitável, uma anciã, sabiamente reverenciada por muitas culturas tradicionais, por sua dimensão, qualidade ancestral e vitalidade. Mas eis que ali jazia, barbaramente tombada.

O veículo ia lento, na pista única, arrastando o cadáver. Logo atrás, eu o acompanhava. Quanto olhei pelo retrovisor, uma longa fila de carros me seguia.

De repente, senti-me como se estivesse num cortejo fúnebre. E estava.

Ainda, pela posição dianteira que ocupava, supus que eu fosse da família próxima do morto. E era.

Tanto que se alguém indagasse meu grau de parentesco com aquela árvore, eu saberia responder:

– É minha irmã.

Onides Bonaccorsi Queiroz
Arco-íris sobre a Floresta Amazônica (Foto: Sérgio Vale)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários neste blog passam por nossa moderação, o que nos confere o direito de publicá-los ou não.

Os textos e conteúdos dos comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião deste blog.

Não serão publicados comentários de leitores anônimos ou aqueles considerados moralmente ofensivos, racistas, preconceituosos ou que façam apologia a qualquer tipo de vício ou atos de violência e discriminação.

A reprodução é livre desde que mantido o contexto e mencionado a fonte.